Para a glória de Deus, em comunhão com a Santa Igreja Católica Apostólica Romana

Jornada Cristã


sexta-feira, 8 de maio de 2009



Bispo emérito de Novo Hamburgo era um dos nomes mais polêmicos da Igreja


Uma das vozes mais polêmicas da Igreja Brasileira se calou na tarde desta sexta-feira. Conhecido pela crítica acirrada ao marxismo e à teologia da libertação, o bispo emérito de Novo Hamburgo, Dom Boaventura Kloppenburg, morreu, por volta das 14h30min, aos 89 anos, no Hospital Regina, no município do Vale do Sinos.

Ele estava internado desde o dia 26 de abril, por complicações respiratórias. A missa de corpo presente será neste domingo, às 16h, na  Catedral São Luiz de Novo Hamburgo, onde após a cerimônia também será realizado o enterro.

Bispo da diocese da cidade por nove anos, de 1985 a 1994, deixou um legado de polêmicas e erudição. Foi autor de cerca de 90 livros, conforme seu sobrinho e biógrafo, José Alfredo Schierholt. O último, Creio na Vida Eterna, publicado no ano passado, é uma espécie de testamento espiritual.

Desde que se aposentou, ao completar 75 anos, morava com a irmã Josefina Kloppenburg, freira, na casa da pastoral localizada ao lado da catedral da cidade. Nascido em 1919 em Oldenburg, na Alemanha, foi o sétimo de nove filhos, batizado como Carlos José.

Com as dificuldades enfrentadas pela família devido à I Guerra Mundial, a família emigrou para o Brasil em 1924, quando Kloppenburg tinha quatro anos, e se estabeleceu no município gaúcho de Rolante.

Na década de 30, iniciou a vida religiosa no Seminário Menor da Sagrada Família, em Santo Ângelo. Tornou-se franciscano em dezembro de 1941, quando adotou o nome de Frei Boaventura, e foi ordenado em 1946. Foi único brasileiro a participar do Concílio Vaticano II, de 1962 a 1965.

Preocupado com questões teológicas e pastorais da América Latina, o religioso dirigiu o Instituto de Teologia e Pastoral para a América Latina, em Medellín, na Colômbia. Nos anos 60, quando liderava a editora Vozes, dom Boaventura Kloppenburg admitiu como secretário o então estudante Leonardo Boff. Poucos anos depois, a Teologia da Libertação colocaria os dois religiosos em posições opostas.

— A Teologia da Libertação se baseava no marxismo, e isso eu não pude aceitar — disse em entrevista à Zero Hora, em 1995.

Suas críticas ferozes à Teologia da Libertação — que defende a atuação da Igreja na resolução dos problemas sociais — acabaram lhe granjeando a fama de homem rígido e severo. Mas quem o conhecia ressaltava sua cordialidade e seu bom-humor. Características que lhe valeram a amizade do papa João Paulo II, cultivada desde 1974, quando ambos prepararam um trabalho durante um sínodo de bispos.

Entre 1975 e 1976, Kloppenburg ingressou na Comissão Teológica Internacional, onde conheceu Joseph Ratzinger, hoje o Papa Bento XVI, quando ambos eram padres e foram colegas de estudos. Quando ocupava o posto de bispo auxiliar em Salvador (BA), no início da década de 1980, sentiu saudades do sul do Brasil e, em setembro de 1986, se tornou bispo de Novo Hamburgo.

Frases

“O problema da miséria e da pobreza deve ser resolvido pelo governo e pela sociedade, não pela Igreja”

“O (Leonardo) Boff ficou tão contrariado com as minhas críticas que , quando assumiu a direção da Editora Vozes, proibiu a publicação de minhas obras. Ele, que tanto reclamou da censura do Vaticano, foi o censor mais implacável que eu tive.”

“A preparação e a inteligência de Boff são excelentes. Se ele não tivesse sido tão arrogante poderia estar aí, nos ajudando”

“Existe um ditado que diz: vá reclamar para o bispo. Muitos fiéis seguem esse conselho e a gente acaba cansando”

A trajetória

As principais realizações da vida eclesiástica de Boaventura Kloppenburg:

1919: Nasce em Oldenburg, na Alemanha, em uma família de forte tradição católica e repleta de padres.

1923: Sua família muda-se para Rolante, no Rio Grande do Sul, de onde logo se transfere para uma propriedade rural no interior de Bagé, hoje município de Hulha Negra.

1934: Decidido a virar padre, ingressa no seminário de São Leopoldo, onde estuda Teologia por três anos.

1941: Muda-se para Petropólis, no Rio de Janeiro, para estudar Teologia.

1946: Ordena-se padre e vai estudar Teologia Dogmática em Roma.

1951: Volta para o Brasil, onde ensina na Faculdade de Petrópolis até 1973.

Anos 50 e 60 – Dirige a Editora Vozes e publica, por mais de 20 anos, a Revista Eclesiástica Brasileira. Estuda o espiritismo, a umbanda e a maçonaria em profundidade, escrevendo livros, artigos e folhetos sobre essas seitas.

1962 – 1965: É o único brasileiro a participar do Concílio Vaticano II, sobre o qual publicou uma obra em cinco volumes.

1974 – 1982: Vai para Medellín como reitor do Instituto Pastoral da Colômbia.

1975 – 1990: É o único brasileiro a integrar a Pontifícia Comissão Teológica Internacional.

1982: É nomeado bispo auxiliar de Salvador, na Bahia.

1985: Assume a Diocese de Novo Hamburgo, que abrange 22 municípios, 44 paróquias e cerca de 700 mil fiéis.

1994: Apresenta sua renúncia ao bispado, em 2 de novembro, ao completar 75 anos.

Fonte: Zero Hora.

Meu comentário:

A Dom Boaventura, só poderia dizer: obrigado! Seu livro “Espiritismo: orientação para católicos” ajudou-me imensamente a superar essa doutrina infame, a qual marcou minha adolescência.

E sobre ter fama de “homem rígido e severo”, qualquer um que combata o bom combate será taxado assim pelos inimigos de Nosso Senhor Jesus Cristo e Sua Igreja.

Que o Pai o tenha em Seus braços!

Postado às 22:24 | Tags: , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

Deixe seu comentário


Get Adobe Flash player Plugin by wpburn.com wordpress themes
%d blogueiros gostam disto: