Para a glória de Deus, em comunhão com a Santa Igreja Católica Apostólica Romana

Jornada Cristã


terça-feira, 5 de janeiro de 2010



Por Hilary White.

Professora Olive Jones - foto Daily Mail

LONDRES, 4 de janeiro de 2010 (LifeSiteNews.com) – Uma professora cristã no Reino Unido foi adicionada à longa e crescente lista de cristãos britânicos que enfrentaram ação disciplinar ou judicial por expressar sua opinião. Olive Jones, de 54 anos, está sendo defendida pelo Christian Legal Centre depois que foi demitida por se oferecer para rezar por um aluno que sofre de leucemia.

Jones, professora que dá aulas em domicílio, dava aulas de matemática para crianças doente demais para freqüentar a escola. Quando visitava um aluno doente, ela conversou com a mãe da criança e se ofereceu para rezar pela filha. Quando lhe foi dito que a família não era crente, ela deixou o assunto de lado, mas a mãe fez uma queixa e Jones perdeu seu emprego na escola de aulas particulares Oak Hill Short Stay, na cidade de Nailsea, distrito de North Somerset, oeste da Inglaterra.

Seus empregadores disseram que a oferta de oração poderia ser considerada como “bullying” – um ato de violência psicológica. Jones agora teme que o incidente tenha deixado marcas, prejudicando suas perspectivas futuras de emprego.

Jones disse que sua oferta de oração está sendo tratada como “um ato criminoso”: “É uma marca negra contra meu nome e meu caráter quando se trata de obter uma referência para outro trabalho, somente porque compartilhei meu testemunho”.

“Se tivesse cometido algum crime, acredito que a reação teria sido a mesma”, disse ela, acrescentando estar indignada com a interpretação da empresa sobre liberdade de expressão.

“Surpreende-me que um país com tão forte tradição cristã tenha se tornado um país onde é difícil falar sobre sua fé”.

Paddy e Stephanie Lynch, os pais da estudante de 14 anos de idade, dizem que Jones deixou sua filha “traumatizada”. Eles disseram ao jornal Daily Mail que as visitas de Jones tinham deixado sua filha “profundamente perturbada”, depois que a professora disse a ela, após a morte de um amigo próximo da estudante, que quando pessoas morrem novas, elas vão para o céu.

“As sessões com a sra. Jones tornaram-se cada vez mais traumáticas e decidimos que não era apropriado para aquela mulher vir até minha casa.” A família alega que a sra. Jones tinha ignorado repetidos pedidos para parar de “pregar”.

O jornal Daily Mail comentou em artigo que a experiência de Jones e de várias pessoas tais como ela numa crescente Grã-Bretanha anti-cristã é um resultado da adoção oficial de uma nova religião de estado compulsória de “igualdade e diversidade”.

“Códigos oficiais de conduta, que podem ser a base da ação disciplinar, e fazem parte integrante dos contratos de trabalho, obrigam milhões de funcionários públicos a ‘promover’ a igualdade e ‘respeitar’ a diversidade”.

“É possível que a publicidade e o apoio de grupos de pressão possam ajudar a sra. Jones, tal como aconteceu a Caroline Petrie, enfermeira sujeita a situação similar. Mas o problema fundamental, a lenta ocupação deste país por fanáticos politicamente corretos, continua a crescer”.

A sra. Jones disse: “não estou zangada com meus chefes, pois eles estão tentando interpretar as novas políticas de igualdade e diversidade. Mas eu estou zangada com o sistema politicamente correto e sobre o fato de que você não possa mencionar nada que tenha a ver com fé a pessoas que possam fazer uso disso”.

Nick Yates, um porta-voz da assembléia de North Somerset, afirmou: “Olive Jones trabalhou como professora suplente, trabalhando com o serviço de aulas particulares de North Somerset. Uma queixa a respeito de Olive foi feita por um dos pais. Esta queixa está sendo investigada”.

Leia também: Meu calvário, por professora cristã demitida por oferecer-se a rezar por aluno doente – em inglês, matéria do Daily Mail.

Fonte: Lifesitenews. Tradução e adaptação de Matheus Cajaíba. Para ler o texto na íntegra e em inglês, clique aqui.

Postado às 14:27 | Tags: , , , , , , , , , , ,

1 Comentário

  1. Karina disse:

    Bulling? Sinceramente, eu ja não entendo mais nada dessa onda de politicamente (in)correto.

    Se a mulher tivesse tido que as pessoas que morrem novas e sem se converter vão para o inferno, talvez, aí, talvez, até desse para dizer que era um afronta.

    Mas, gente, qual ateu que nunca disse ao menos “pelo amor de Deus” num momento de aflição? Mesmo a pessoa sendo atéia, quem é que não fica feliz em receber um pouco de compadecimento num momento de doença, ainda mais de um filho?

    É o ensaio geral do fim do mundo, mesmo.

Deixe seu comentário


Get Adobe Flash player Plugin by wpburn.com wordpress themes
%d blogueiros gostam disto: