Mensagem do dia (31/05/2022)

Pelo mistério da Anunciação e da Visitação, Maria representa o próprio modelo da vida que devíamos levar. Primeiro, acolheu Jesus na sua existência; depois, partilhou o que recebeu. Cada vez que recebemos a Sagrada Comunhão, Jesus, o Verbo, torna-Se carne na nossa vida – dom de Deus, ao mesmo tempo belo, gracioso, singular. Assim foi a primeira Eucaristia: o oferecimento por Maria do seu Filho, que estava nela, nela em quem Ele tinha estabelecido o primeiro altar. Maria, a única que podia afirmar com absoluta confiança: «Isto é o meu corpo», ofereceu, a partir deste primeiro momento, o seu próprio corpo, a sua força, todo o seu ser, para a formação do Corpo de Cristo.

Santa Teresa de Calcutá.

Mensagem do dia (18/12/2021)

Parece-me que a atitude da Virgem durante os meses que decorreram entre a Anunciação e a Natividade é o modelo das almas interiores, dos seres que Deus escolheu para viverem no Seu íntimo, no fundo do abismo sem fundo. Em que paz, em que recolhimento Maria se terá entregado a todas as coisas, divinizando as mais banais! Pois a Virgem adorava o dom de Deus através de tudo, o que não a impedia de se entregar aos outros sempre que se tratava de exercer a caridade.

Santa Isabel da Trindade.

Mensagem do dia (25/03/2021)

Graças a esta luz, ó Maria, não foste como as virgens insensatas, mas estavas cheia da virtude da prudência. Foi por isso que quiseste saber como se poderia cumprir o que o anjo te anunciava. Tu sabias que «a Deus nada é impossível» e não tinhas qualquer dúvida sobre isso; então porque disseste: «eu não conheço homem»? Não era a fé que te faltava; foi a tua humildade profunda que te fez dizê-lo. Não duvidavas do poder de Deus, mas consideravas-te indigna de tão grande prodígio. Se te perturbaste com a palavra do anjo, não foi por medo. À luz do próprio Deus, parece-me que foi mais por admiração. E que admiravas tu, ó Maria, senão a imensidade da bondade de Deus? Olhando para ti própria, julgavas-te indigna daquela graça e ficaste estupefacta. A tua pergunta é a prova da tua humildade. Não estavas cheia de medo, mas unicamente de admiração diante da imensa bondade de Deus, comparada com a tua pequenez, com a tua humilde condição.

Santa Catarina de Sena.

Mensagem do dia (25/03/2020)

Contemplai Maria, bem-amados, vede como Gabriel entrou em sua casa e como, à sua objeção, «Como será isso?», o servo do Espírito Santo deu a seguinte resposta: «Nada é impossível a Deus, para Ele tudo é simples.» Considerai como ela acreditou no que ouvira e disse: «Eis a serva do Senhor.» Desde logo o Senhor desceu, de uma forma que só Ele conhece; pôs-Se em movimento e veio como Lhe agradava; entrou nela sem que ela o sentisse e ela acolheu-O sem ter qualquer sofrimento. Ela trazia em si, como uma criança, Aquele de que o mundo está cheio. Ele desceu para ser o modelo que renovaria a imagem antiga de Adão.

Santo Efrém.

Mensagem do dia (09/04/2018)

É um sinal para nós esta mãe virgem que concebe e dá à luz: sinal de que este homem concebido e nascido é Deus. Este Filho que realiza obras divinas e suporta sofrimentos humanos é para nós o sinal, que levará Deus até aos homens pelos quais Ele foi concebido e nasceu, e pelos quais também sofreu.

Beato Guerric d’Igny.

Mensagem do dia (04/04/2016)

Não nos deve escapar que o anjo omite o nome de Maria em sua saudação, e a designa somente pela graça (de que está cumulada). Isso denota que Ela era preeminente entre todas as criaturas pela prerrogativa da graça. Na Teologia católica graça é o princípio que vivifica a alma com vida e poder espiritual, e a torna agradável a Deus. (…) O grau de graça a que havia chegado Maria estava acima de qualquer outro concedido a simples criatura.

Padre Andrew Breen.

América Latina celebra dia da criança por nascer

Diversos atos e discursos prestam homenagem aos não-nascidos

Por Carmen Elena Villa

BUENOS AIRES, quarta-feira, 25 de março de 2009 (ZENIT.org).- «Sempre devemos alegrar-nos pelo pequeno ser humano oculto aos nossos olhos, mas vivo no seio materno», explicou à Zenit Dom José Antonio Eguren, arcebispo de Piura (Peru) e presidente da Comissão Episcopal da Família, Infância e Vida.

Cada vez são mais os lugares que, no dia 25 de março, comemoram o Dia da Criança por nascer. A data se deve à celebração da solenidade da Anunciação-Encarnação do Menino Jesus no seio de Maria.

El Salvador foi o primeiro país que decretou uma celebração deste tipo em 1993, com o nome de «Dia do Direito a Nascer». Assim proclamou a Assembléia Legislativa graças aos esforços do movimento pró-vida, especialmente à proposta da «Fundação Sim à Vida» (afiliada à «Vida Humana Internacional»).

Por sua parte, em 7 de dezembro de 1998, o então presidente argentino, Carlos Saúl Menem, declarou 25 de março como «Dia da Criança por Nascer», a pedido de uma carta enviada pelo Papa João Paulo II.

Países como Guatemala, Chile, Costa Rica, Bolívia, Nicarágua, República Dominicana, Peru e El Salvador se uniram de maneira oficial a esta celebração.

Também as conferências episcopais de outros países, entre eles Colômbia, Equador e Panamá, uniram-se para recordar nesta data as milhares de crianças que estão em perigo de morrer no ventre materno.

Além dos encontros, passeatas, shows e conferências que marcam os acontecimentos desta semana, algumas mensagens motivam a celebração desta data. Para o arcebispo do Panamá, Dom José Dimas Cedeño Delgado, «não podemos deixar-nos influenciar pelas teorias de pseudocientistas materialistas que afirmam alegremente que a vida humana começa a existir semanas ou meses depois da concepção».

A conferência episcopal colombiana assegurou em um comunicado que esta celebração «nos leva a pensar em todas as mães, especialmente naquelas que por alguma situação específica se sentem tentadas a não chegar até o final com a gravidez».

«Houve um momento em que Jesus Cristo, como nós, foi um embrião, ou seja, uma Criança por nascer. No caso de que tivéssemos atentado contra Ele no seio de sua Mãe, teríamos cometido o mesmo crime que os soldados romanos consumaram no Calvário», assegurou Dom Eguren.

Fonte: Zenit.

Dia 25 de março “Dia Nacional do nascituro” em toda a América Latina: uma campanha internacional por uma cultura da vida humana

Roma (Agência Fides) – No dia 25 de março, solenidade da Anunciação do Senhor, em vários países da América Latina se celebrará o “Dia Nacional do nascituro”. Esta prática está se estendendo de ano em ano depois do ataque sempre mais freqüente contra a vida humana nascente. A Conferência Episcopal da Colômbia, através da Seção para a Família, promove este evento, unindo-se assim à campanha internacional iniciada pela Igreja por uma cultura pela vida humana. Este dia recorda que “a criança que está para nascer é um ser humano, um filho de Deus, que merece toda atenção, tanto da parte dos pais que a geraram quanto pela sociedade que deste modo se vê enriquecida de um novo membro”.

“Diante de um ambiente que procura prescindir de muitos seres indefesos, lê-se no material preparado para a ocasião, somos chamados a lutar a fim de que a nova vida das crianças nascituras possam se desenvolver e chegar à sua plenitude: em casa que acolhe com a experiência do amor sincero e fiel dos esposos e dos pais, e na sociedade que reconhece os seus direitos fundamentais e facilita a elas as possibilidades de chegar a uma maturidade pessoal”.

Os temas propostos para a reflexão neste Dia 2009 são: “reafirmar o valor de toda vida humana desde a concepção até a morte natura; promover a cultura da vida humana; despertar a solidariedade: acompanhar as mães gestantes; rezar a fim de que tenha em nosso país respeito por toda vida humana”.

A Conferência Episcopal propõe além disso, uma série de iniciativas de caráter formativo, social, cultural e religioso para celebrar este dia, entre elas: “assembléias familiares para o estudo dos temas durante a semana de 24 a 31 de março; laboratórios de formação sobre paternidade e a maternidade responsável; projeção de vídeo sobre o tema do aborto; encontros e convivências com agentes de saúde dos hospitais e das clínicas; laboratórios de formação com dirigentes públicos e agentes de saúde sobre objeção de consciência e sobre o consenso informado; lançamento do dia através dos meios de comunicação; realização de marchas e manifestações culturais em defesa da vida humana, celebração eucarística e bênção das mães gestantes”.

No Chile, no dia 24 de março às 19 horas, na Catedral de Santiago se realizará uma Santa Missa que será presidida por Dom Fernando Chomali, bispo auxiliar de Santiago, e concelebrada pelo Padre Marcos Burzawa, Msf. Durante a celebração, organizada pelo Departamento pela Família e pela Rede para a Vida e a Família, se realizará a entrega da imagem da Virgem de Guadalupe, a grande advogada e patrocinadora da vida humana, reafirmando o compromisso da Igreja no Chile em favor da vida. “A idéia é celebrar o maravilhoso ato de amor que é o florescimento de um novo ser e, com isso, promover uma cultura da vida em nossa sociedade”, explicou Pe. Burzawa.

No âmbito das celebrações deste ano, a Rede para a Vida premiará pelo seu trabalho em defesa da vida, Patrícia Mondaca, Diretora do Centro de Atenção às Jovens Grávidas de “Maria Ajuda”, e ao Jornalista da Rádio “O Conquistador” de Temuco, Luis Muñoz. A cerimônia de entrega dos prêmios se realizará no dia 25 de março, às 13 horas, no Auditório da Sede do Instituto DUOC de Ponte Alto. No Chile o evento se celebra desde o dia 18 de maio de 1999, data em que o senado aprovou, por unanimidade, um projeto no qual solicitava o Presidente da República a declarar o dia 25 de março de cada ano, “Dia do nascituro”. (RG)

Fonte: Agência Fides.