Mensagem do dia (19/03/2020)

Dentre todas as vocações noto duas, nas Escrituras, que parecem diametralmente opostas: uma é a dos Apóstolos; a segunda, a de José. Jesus é revelado aos Apóstolos para que o anunciem por todo o universo; e é revelado a José para que silencie e o esconda. Os Apóstolos são luzeiros para mostrarem Jesus ao mundo inteiro. José é um véu para encobri-lo; e sob esse véu misterioso oculta-se-nos a virgindade de Maria e a grandeza do Salvador das almas. Aquele que glorifica os Apóstolos concedendo-lhes a honra da pregação, glorifica José pela humildade do silêncio.

Jacques Bossuet.

Mensagem do dia (02/02/2020)

O “rei da glória” é, agora, um pequeno recém-nascido de quarenta dias, que é levado ao Templo para ser oferecido a Deus, segundo a prescrição da lei de Moisés. Quem é na realidade este recém-nascido? A resposta a esta pergunta, fundamental para a história do mundo e da humanidade, é dada profeticamente pelo velho Simeão, que, tomando a criança nos seus braços, vê e intui nela “a salvação” de Deus, a “luz para iluminar os povos”, a “glória” do povo de Israel, a “queda e o ressurgimento de muitos em Israel”, o “sinal de contradição”. Tudo isto é aquela criancinha, que, embora sendo o “rei da glória”, o “Senhor do Templo”, ali entra pela primeira vez, no silêncio, no escondimento e na fragilidade da natureza humana.

São João Paulo II (Papa).

Mensagem do dia (02/01/2020)

Atenção amigo!
Diante de Deus, silêncio!
Diante de Deus, joelhos dobrados!
Diante de Deus, coração na mão!
Diante de Deus, toda reverência!
Diante de Deus, confiança ilimitada!
Diante de Deus, respeito!
Diante de Deus, obediência da fé!
Diante de Deus, humildade!
Diante de Deus, amor absoluto, sempre e até o fim!

São Gregório de Nazianzo.

Mensagem do dia (07/10/2019)

O Rosário é escola de contemplação e de silêncio. À primeira vista, poderia parecer uma oração que acumula palavras, portanto dificilmente conciliável com o silêncio que é justamente recomendado para a meditação e a contemplação. Na realidade, esta repetição ritmada da Ave-Maria não perturba o silêncio interior, aliás, exige-o e alimenta-o.

Papa Bento XVI.

Mensagem do dia (09/06/2019)

Permanecer juntos foi a condição que pôs Jesus para acolher o dom do Espírito Santo; o pressuposto de sua concórdia foi a oração prolongada. Deste modo, é oferecida a nós uma formidável lição para cada comunidade cristã. Às vezes se pensa que a eficácia missionária depende principalmente de uma programação atenta e de sua sucessiva aplicação inteligente através de um compromisso concreto. Certamente o Senhor pede nossa colaboração, mas antes de qualquer outra resposta é necessária sua iniciativa: seu Espírito é o verdadeiro protagonista da Igreja. As raízes de nosso ser e de nosso atuar estão no silêncio sábio e providente de Deus.

Papa Bento XVI.

Mensagem do dia (21/02/2017)

O templo divino cresce de fato, no silêncio, porque quando a mente do homem não se dissipa nas conversações com os outros, levanta-se no alto o cimo do edifício espiritual; e tanto mais cresce e se levanta para o alto, quanto mais é guardada pela disciplina do silêncio e não se distrai com o que está fora.

São Pedro Damião.

Mensagem do dia (15/07/2016)

Assim como no falar muito não faltará pecado, assim, falar pouco e raramente faz com que o homem se preserve do pecado. E se a conseqüência do demasiado falar freqüentemente é a ofensa de Deus ou do próximo, o silêncio, por sua vez, nutre a justiça, da qual nasce como de uma árvore o fruto da paz… Pois se o homem não põe com muito cuidado uma guarda à sua boca, não somente bem cedo dissipará as graças que recebeu, mas há de cair em muitos males.

São Boaventura.

Mensagem do dia (24/06/2016)

Zacarias cala-se e perde a fala até ao nascimento de João, precursor do Senhor, que lhe devolve a fala. O silêncio de Zacarias significa que a profecia desapareceu e que, antes do anúncio de Cristo, está como que escondida e fechada, abrindo-se ao seu advento, tornando-se clara para a chegada daquele que estava profetizado.

Santo Agostinho.

Mensagem do dia (31/05/2016)

O que a Virgem santa vai fazer na Visitação não é uma visita à sua prima para se consolarem e se edificarem mutuamente pela narrativa das maravilhas que Deus fez nelas; menos ainda é uma visita de caridade material para a ajudar nos últimos meses da gravidez e no parto. É muito mais do que isso: ela vai santificar São João, anunciar-lhe a Boa Nova […], não através de palavras suas, mas levando-lhe o silêncio de Jesus.

Beato Charles de Foucauld.