Para a glória de Deus, em comunhão com a Santa Igreja Católica Apostólica Romana

Jornada Cristã


sexta-feira, 4 de abril de 2014



Agindo de forma leviana e irresponsável, o ex-vencedor do programa de televisão “Big Brother Brasil” e também por ironia deputado federal Jean Wyllys (PSOL) acusou os cristãos de omissão para com os abusos e crimes sexuais cometidos por líderes religiosos. O ex-confinado falou pelos cotovelos, como de costume, durante sessão da Comissão Especial que discute o Plano Nacional de Educação, na Câmara Federal. Rotulando de “fundamentalista” aquele que vai contra suas convicções pessoais, o “brother” não parece interessado em discutir e argumentar em favor da ideologia de gênero, a qual defende, mas apenas utilizar-se da retórica torpe da difamação pura e simples.

“Na comunidade cristã existem os fundamentalistas – não são todos os cristãos que são fundamentalistas – mas a expressão aqui nesta Casa, neste momento, é dos fundamentalismos cristãos. Então eu acho curioso que o fundamentalismo cristão queira influenciar retirando a identidade de gênero do texto do PNE, mas esteja muito pouco preocupado, por exemplo, com a prática de abusos sexuais no seio da igreja. A gente lê todos os dias notícias de abuso sexual praticado por líderes religiosos. As pessoas não estão preocupadas com isso, e isso é violência de gênero”, assim se pronunciou o ex-herói de Pedro Bial Wyllys sobre os manifestantes contrários à inclusão da ideologia de gênero no Plano Nacional de Educação.

Desviando-se completamente do assunto, o “BB” supõe, a partir de suposta leitura diária de “notícias de abuso sexual”, que cristãos não se importam com essa violência e com a moralidade dentro de suas própias igrejas. E de forma desorientada, conclui que se trata de uma “violência de gênero”, sendo portanto pertinente relacionar tais eventos com a discussão que se desenrolava na sessão.

Tais afirmações gratuitas têm dupla função. Em primeiro lugar, a ex-celebridade da tv tenta distrair seus interlocutores desviando-se do tema em questão. A discussão era sobre o Plano Nacional de Educação, não sobre violência sexual – muito menos em ambientes religiosos. Em segundo lugar, o “brother-socialista” Jean taxa aquele que discorda dele com o epíteto “fundamentalista” – pejorativamente, é um rótulo aplicável a qualquer pessoa que ouse se contrapor aos dogmas progressistas da esquerda iluminada. Ao mesmo tempo, desqualifica o debate, por julgá-lo inoportuno, e seu oponente, caracterizado de forma jocosa como um adversário do progresso das idéias, portanto, um inimigo da própria humanidade.

Não é necessário refutar os disparates proferidos pelo ex-artista global, mesmo porque ele não apresenta dados concretos que fundamentem suas observações. Seria de bom grado que o ex-herói da “casa mais vigiada do Brasil” explicasse para todos qual a relação entre ser contra a ideologia de gênero e desdenhar da apuração de crimes de natureza sexual.

As deturpações continuam: “Essas pessoas levantaram faixas aqui ofensivas à dignidade humana de diversos grupos deste país. Eu li todas as estupidezes escritas nessas faixas, e não falei nada contra elas. Eu espero que as pessoas respeitem o meu direito de fazer a minha avaliação do relatório, e nela, eu digo que num Estado laico democrático de direito, numa República federativa, dogmas religiosos não devem influenciar políticas públicas, e que fundamentalismos estão preocupados em proibir e vetar uma legislação que vai trazer cidadania a todos, mas não estão preocupados com abusos sexuais no seio de suas próprias comunidades”.

A “celebridade-parlamentar” não fala nada contra o conteúdo das manifestações contrárias à sua ideologia, porque não tem o que falar. Só pode mesmo xingar, contrariado. Apela para mais falácias, sem esquecer a velha e monótona churumela invocando o “estado laico” que, de acordo com sua visão, deveria impedir os religiosos de se manifestarem – como se as objeções à ideologia de gênero e sua implementação no Plano Nacional de Educação se resumissem a argumentos de matriz religiosa.

É interessante como o outrora “ocupante da nave BBB” (minha insistência em relacioná-lo com a atração televisiva está embasada na certeza de que o fato mais relevante de sua vida foi ter sido o vencedor de tal concurso) não tem o menor interesse em refutar as objeções trazidas pelos opositores da legislação que defende. Ao se ver incapaz de lidar com o contraditório, só resta ao “brother-deputado” partir para o ataque gratuito, que visa desmoralizar os religiosos e conservadores desqualificando sua argumentação na base do preconceito puro e simples contra aqueles que se manifestarem contrários à uma “teoria” que carece de fundamentação científica. Não se faz de rogado e, partindo para a chantagem emocional desesperada, tenta induzir a platéia a crer que ser contra a inclusão da ideologia de gênero no plano nacional de educação é “ofensivo à dignidade humana.”

Bravatas de um sujeito como esse não se respondem. Afinal de contas, é demais pedir coerência para um sujeito que se diz militante da “causa gay” e ao mesmo tempo posa fantasiado de “Che Guevara”, notório representante de um regime conhecido por prender, torturar e matar arbitrariamente homossexuais.

A homenagem a quem perseguiu aqueles a quem diz defender…

Postado às 14:13 | Tags: , , , , , , ,

1 Comentário

  1. Laura Queiroz disse:

    Depois de um longo e tenebroso inverno, eis que meu amigo deu o ar da sua graça aqui no Jornada Cristã. Já não era sem tempo, meu caro. Espero que vc não suma de novo pois quero vir aqui mais vezes.

    Quanto a esse sujeito asqueroso que se dane mesmo, pois como diz minha mãe: “não gaste cera com defunto que não cheira”.

Deixe seu comentário


Get Adobe Flash player Plugin by wpburn.com wordpress themes
%d blogueiros gostam disto: