Para a glória de Deus, em comunhão com a Santa Igreja Católica Apostólica Romana

Jornada Cristã


quinta-feira, 7 de maio de 2009



As famílias cristãs de Karachi “fechadas em casa” pelo terror dos talibãs; pena de morte para quem blasfema

Karachi (Agência Fides) – Temendo a escalada da violência talibã, constatada a fraqueza do governo, da polícia e das instituições civis, as famílias cristãs da cidade de Karachi, agredidas na semana passada pelos grupos talibãs armados, estão aterrorizadas e fechadas em suas casas. É o que comunica à Agência Fides, Pe. Mario Rodriguez, Diretor das Pontificas Obras Missionárias (POM) no Paquistão, expressando preocupação e alarme pela expansão da violência dos grupos militares islâmicos no país, não somente na província da Fronteira do noroeste, mas também nas principais cidades paquistanesas.

Pe. Rodriguez afirma: “os talibãs giram ameaçando nos bairros os cristãos da cidade aterrorizando as mulheres e convidando as pessoas a se converterem ao Islã. Acontecem episódios de violência, perseguições e maus-tratos improvisos. São militares armados com arma de fogo e kalashnikov. Estamos chocados por esta situação e por esta onda de violência insensata, que as autoridades não deveriam permitir: a polícia tem o dever de defender todos os cidadãos das agressões”.

O Diretor das POM pede atenção e apoio a todos os cristãos do mundo e convida a rezar porque as minorias cristãs no Paquistão estão passando por um dos momentos mais obscuros e difíceis da sua história.

“Esperamos a ajuda do Senhor e pedimos ao governo que recupere o controle da situação, em todo o país. Enquanto isso, as famílias cristãs estão aterrorizadas e não saem das suas casas. São obrigadas a se isolar”.

A Igreja vive esta situação buscando envolver a sociedade civil (inclusive grupos muçulmanos moderados) no combate ao extremismo religioso.

Dom Lawrence Saldanha, Arcebispos de Lahore e presidente da Conferência Episcopal do Paquistão, nas últimas semanas enviou uma carta a todos os líderes políticos e institucionais do Paquistão, assinalando a situação de terror e violência à qual são submetidas as minorias religiosas, sob a pressão dos grupos integralistas islâmicos, falando da presença de uma “máquina homicida de terror em nome da religião”. Hoje, o Arcebispo assinala: “Existe o temor fundamentado de que os episódios de violência ocorridos em Karachi possam se repetir em outras partes do país. Os cristãos já sofrem injustiças e violências por causa da iníqua lei sobre a blasfêmia, aplicada contra eles. Agora é a sua própria sobrevivência que está em perigo”. O Arcebispo se pergunta preocupado: “O governo estará apto a salvar os cristãos? O governo e o exército saberão salvar o estado democrático do Paquistão?”

Enquanto isso, outra péssima notícia para as minorias religiosas veio do sistema jurídico nacional: pelo crime de “blasfêmia” (profanar o nome do Profeta Maomé) previsto no art. 295.C do Código Penal do Paquistão, agora está prevista a pena de morte, e foi cancelada a opção da prisão. A Corte Suprema, com efeito, numa recente sentença, tornou a pena de morte obrigatória. A Igreja há tempos denuncia o abuso da lei sobre a blasfêmia e a sua aplicação para penalizar ou eliminar cidadãos de fé não- islâmica. (PA)

Fonte: Agência Fides.

Postado às 12:52 | Tags: , , , , , , , , ,

Deixe seu comentário


Get Adobe Flash player Plugin by wpburn.com wordpress themes
%d blogueiros gostam disto: