Para a glória de Deus, em comunhão com a Santa Igreja Católica Apostólica Romana

Jornada Cristã


terça-feira, 8 de setembro de 2009



Meu xará Matheus me manda um comentário com uma pergunta bastante pertinente, a qual faço questão de responder por aqui, por ser um ponto bastante importante:

“Do ponto de vista cristão, homossexualismo é considerado erro. E a Bíblia é a Palavra de Deus, infalível quando ensina doutrina religiosa, cuja interpretação correta para os católicos é de responsabilidade do Magistério da Igreja Católica.”

Isso pode soar retórico, mas, realmente, desconheço o assunto. Recentemente, comecei a ler a bíblia. Vai minha pergunta: não é possível o indivíduo católico seguir sua própria interpretação da bíblia? abraço!

Resposta objetiva: não, isso não é possível.

Para ficar mais claro, transcrevo um comentário a respeito deste assunto, escrito pelo Pe. Antônio das Mercês Gomes e embasado pela própria Bíblia:

Nós, católicos, afirmamos que só a Igreja, através dos legítimos sucessores dos Apóstolos [os bispos], pode dar a interpretação certa e verdadeira dos textos da Bíblia. O Espírito Santo está em todos nós, nos move e ilumina para entender, pôr em nossa vida a Palavra de Deus. Mas, quando se trata de ver o sentido exato de um texto, não cabe ao cristão em particular, mas à Autoridade da Igreja, por seus legítimos pastores, sucessores dos apóstolos, que formam o Magistério da Igreja (seu ensinamento oficial), nos dar a verdadeira interpretação.

Lutero criou a chamada interpretação particular da Bíblia, dizendo que o Espírito Santo ilumina a todos e a cada um. Resultado disto é esta divisão entre eles [protestantes], que se torna cada vez maior, pois perderam o centro, o eixo de tudo.

Vejamos o que diz a própria Bíblia a este respeito. Diz Pedro, na sua Segunda carta, capítulo I, versículo 20: “Antes de tudo, sabei que nenhuma profecia da Escritura é de interpretação pessoal”.

Falando sobre as cartas de Paulo, na mesma carta, cap. 3, vers. 16, Pedro diz: “Nelas ha algumas passagens difíceis de entender, cujo sentido os espíritos ignorantes ou pouco fortalecidos deturpam, para a sua própria ruína, como fazem também com as demais escrituras”.

Conversando com o eunuco da rainha da Etiópia, o diácono Felipe lhe pergunta, depois de vê-lo lendo o livro do profeta Isaías:

– Porventura entendes o que estás lendo?

Responde o eunuco:

– Como posso entender se não há alguém que me explique?

E Felipe, escolhido pelos apóstolos, explica ao eunuco. (Atos 8, 26-31).

Muito bem, Matheus. Você desconhece o assunto e procura aprender a respeito, evitando cometer injustiças. Esta é uma atitude sensata. Que o Espírito Santo o ilumine em sua busca pela Verdade.

Postado às 19:38 | Tags: , , , , , , , , , , , , , , , , ,

5 Comentários

  1. Benjamin Bee disse:

    Se não posso interpretar o que leio e devo entregar o entendimento do que leio a terceiros, então não preciso ler.

  2. Eduardo Araújo disse:

    Benjamin, o problema está em você confundir “interpretação” e “entendimento”. Ao ler um livro, certamente podemos ENTENDÊ-LO num sentido fortemente literal. Isso, todavia, não implica deduzir o verdadeiro significado do texto, necessitando-se, pois, INTERPRETÁ-LO corretamente. No caso particular da Bíblia, justamente por ser a Palavra de Deus, imutável e absoluta, não se comportam interpretações, conforme critérios pessoais de cada leitor, mas UMA ÚNICA interpretação, e aí entra o papel relevante, indispensável, do Magistério da Igreja.

    A distinção entre entendimento e interpretação pode ser ilustrada à vontade com outros exemplos além da Bíblia. Apenas para destacar um deles, que ora me ocorre, revejamos o caso Galileu. O cientista pisano foi chamado ao Santo Ofício após ter publicado – com o “imprimatur” da própria Igreja – o seu livro “Discurso sobre Duas Novas Ciências”, no qual se serve do estilo clássico do diálogo, usual desde a Antiguidade. No livro de Galileu, os dialogantes – em número de três – são fictícios: Simplício, Sagredo e Salviatti. Pois bem: pode-se ler todo o texto galileano e ENTENDÊ-LO, sem qualquer dificuldade (na minha opinião), sem atentar para sentidos outros que não a letra do que está escrito. Mas foi precisamente uma INTERPRETAÇÃO, segundo a qual o personagem Simplício satirizava o Papa Urbano VIII, que muito contribuiu para a antipatia criada em torno do autor, no último refúgio em que ele enfatizava suas idéias – a Igreja.

    Para finalizar: as Bíblias propiciam a leitura do texto básico e amiúde disponibilizam sua interpretação, conforme o Magistério da Igreja, nas notas de rodapé. Portanto, ainda que se tenha entendimento e interpretação como a mesma coisa, não haveria a necessidade de se remeter a leitura a terceiros. Assim, o fato de o Magistério da Igreja trazer a si a atribuição exclusiva de interpretar o texto sagrado não equivale a monopolizar a sua leitura, tendo em vista essa interpretação, a única, não é um conhecimento secreto ou de difusão proibida, o que motivaria encaminhar a leitura da Palavra de Deus a tais conhecedores.

  3. Benjamin Bee disse:

    Eduardo Araujo, antes de mais nada quero pedir desculpas por só agora ter-me dado conta de que finalmente alguém aqui me deu atenção. Eu já havia desistido de procurar por questionamentos às minhas considerações.

    Vc tem toda razão quando diz que entendimento e interpretação não se confundem. Mas o que vem antes? A interpretação ou o entendimento? Ou são consecutivos indefinidamente. Quero dizer, a cada nível de leitura. Leio, entendo, interpreto, entendo a interpretação, releio, entendo mais profundamente, reinterpreto, entendo a reinterpretação, e assim sucessivamente. Aprofundar-se no entendimento e na interpretação parece-me ser o mote.

    No caso particular da Bíblia, definitiva e eterna, não há como não considerá-la dinâmica, por essas mesmas razões. Há na Bíblia determinações divinas que não podem ser interpretadas ao pé da letra.

    Deus disse ao homem que procriasse e povoasse toda a Terra. O homem já cumpriu essa determinação. E agora? O que diz o Magistério da Igreja? Em absoluto, não me refiro como resposta ao controle de natalidade.

    Deus é Amor. Então, sendo Deus único, o Amor não é um sentimento. É Espírito. Jamais ouvi o Magistério da Igreja fazer essa diferença crucial. Crucial porque sendo Deus, Amor, então posso “vê-lo” no outro. Como dizia São João, “como que por um espelho”, daqueles feitos de placas de cobre com suas imagens pouco nítidas. Ainda assim, lá está Ele. Presente e de alguma forma Visível.

    DEUS NÃO É INVISÍVEL.

    Coisa que o Magistério não soube divulgar. E por conta disso o homem perdeu-se de Deus.

    Que a Instituição Igreja espera que se dê a Palavra uma única interpretação, é razoável. É preciso que haja Unidade para ser Verdade. Aliás, é mais do que razoável, é imprescindível. Por isso mesmo a interpretação que o Magistério dá a Bíblia tem que ser Divina e na Verdade. A Verdade é dona homem e não o homem dono da Verdade.

    Entretanto, como é fácil verificar, foram os equívocos das interpretações que pulverizaram a Igreja ao longo dos séculos e continua desintegrando-a. Assim é que caminhamos para o Apocalipse. Graças a Deus!

    Mas eu quero me salvar com ou sem o Magistério. E não posso me deixar confundir. Não vou permitir que isso aconteça, nem Deus me quer confundido.
    Desde dentro da minha insignificância não tenho o menor receio de criticar a teologia corrente porque acredito nas revelações que foram dadas a este pequenino. Porque eu tambem SOU!

    Também a Evangelização é, como a Bíblia, dinâmica. Porque definitiva, eterna.
    Já não basta que se diga, creio em Jesus como o Filho Unigênito para se ter como evangelizado. Nem todo o conhecimento teológico é suficiente.

    Maior que a maior das teologias é a GRAÇA. E só Ela tem o poder de evangelizar. E por ela peço em todos os instantes de minha reles existência para poder exisitr na Verdade, em Jesus.

    Que a Graça de Nosso Senhor Jesus Cristo esteja com todos, e muito principalmente com o Magistério das Igrejas.

  4. JORNADA CRISTÃ disse:

    Benjamin, alguns de seus comentários serão respondidos por mim assim que isso for possível.

  5. Indignant Catholic disse:

    Caros, Salve Maria

    Gostaria de deixar aqui minha contribuição para essa questão um link para download do excelente livro “Legítima Interpretação da Bíblia – Lúcio Navarro”, para ser lido por todos aqueles que desejam um maior conhecimento das verdades da Fé:

    http://www.gloria.tv/?media=92842

    Fiquem com Deus

Deixe seu comentário


Get Adobe Flash player Plugin by wpburn.com wordpress themes
%d blogueiros gostam disto: