Para a glória de Deus, em comunhão com a Santa Igreja Católica Apostólica Romana

Jornada Cristã


domingo, 8 de fevereiro de 2009



E as besteiras ditas pelo bispo Williamson ainda repercutem. E repercutem porquê? Porque os inimigos da Igreja estão sempre vigilantes, esperando acontecer e regojizando-se quando descobrem deslizes de seus membros. Será que a Igreja é responsável como um todo pela declaração infeliz de um católico? “Ah, mas o Williamson teve sua excomunhão levantada, e voltou a fazer parte da hierarquia da Igreja”. Alto lá: o levantamento da excomunhão não significou o retorno de Williamson às suas funções episcopais. Ele agora pode receber os sacramentos, mas não pode celebrá-los licitamente.

Além disso, manifestar-se relativizando o holocausto, por mais estúpido que seja, não é motivo para manter uma excomunhão. É claro que é uma declaração irresponsável, inclusive por suas repercussões, que fizeram estremecer as relações entre judeus e o Vaticano de uma forma descabida. E, não nos esqueçamos, serviram de prato cheio para a imprensa praticar um de seus esportes preferidos: cair de pau na Igreja Católica e no Papa.

E a novela continua. Vejam o que saiu hoje na Zenit:

Papa e chanceler Merkel condenam Holocausto

Por Inma Álvarez

CIDADE DO VATICANO, domingo, 8 de fevereiro de 2009 (ZENIT.org).- Bento XVI e a chanceler alemã Angela Merkel mantiveram uma conversa telefônica na qual mostraram sua coincidência na visão sobre a Shoá como advertência à humanidade, segundo explicou neste domingo a Santa Sé através de um comunicado.

A conversa aconteceu a pedido da senhora Merkel, cristã protestante, e se desenvolveu «em um clima de grande respeito», no qual tanto o Papa como a chanceler «expressaram seus respectivos pontos de vista», afirma a nota.

Esta conversa, segundo declararam conjuntamente os dois porta-vozes, o senhor Ulrich Wilhelm pela parte alemã e o Pe. Federico Lombardi, S.J. pela parte vaticana, foi «cordial e construtiva» e esteve «marcada pela comum e profunda adesão à advertência sempre válida da Shoá para a humanidade».

Ambos falaram, segundo explica a nota, sobre as declarações realizadas pelo Papa Bento XVI em 28 de janeiro passado, ao término da audiência geral, e sobre as de Ángela Merkel na terça-feira passada.

Nessa ocasião, o Papa havia pronunciado um comunicado, no qual afirmava que a Shoá devia ser para todos» uma advertência contra o esquecimento, contra a negação e o reducionismo».

O Papa afirmava ter «na memória as imagens recolhidas em minhas repetidas visitas a Auschwitz, um dos campos de concentração nos quais se consumou o brutal massacre de milhões de hebreus, vítimas inocentes de um cego ódio racial e religioso».

«Enquanto renovo com afeto a expressão de minha total e indiscutível solidariedade com nossos irmãos destinatários da Primeira Aliança, desejo que a memória da Shoá leve a humanidade a refletir sobre o imprevisível poder do mal quando conquista o coração do homem», acrescentava.

Estas declarações haviam sido consideradas como «insuficientes» segundo declarou na terça-feira passada, 3 de fevereiro, Ángela Merkel.

«Por parte do Vaticano e do Papa tem que ficar definitivamente claro que não se permite o negacionismo e que deve haver um trato positivo com o judaísmo», havia afirmado a chanceler alemã.

Leia o restante da matéria aqui.

É compreensível a preocupação expressada pela chanceler alemã sobre o tema. Mas é inaceitável que ela considere “insuficientes” as declarações do Papa a respeito do assunto. No último dia 29 de janeiro, ele afirmou em audiência:

Vêm-me à memória as imagens recolhidas em minhas repetidas visitas a Auschwitz, um dos lugares nos quais se consumou o brutal massacre de milhões de hebreus, vítimas inocentes de um cego ódio étnico e religioso (…) enquanto renovo com afeto a expressão de minha total e indiscutível solidariedade com nossos irmãos destinatários da Primeira Aliança, auguro que a memória da Shoá induza a humanidade a refletir sobre o imprevisível poder do mal quando conquista o coração do homem.

Essa declaração foi suficiente para satisfazer o diretor geral do Rabinato de Israel, Oded Wiener, que afirmou:

Creio que foi um grande passo adiante e uma importante declaração para resolver esta questão, ainda que devemos discutir junto com os membros da Comissão da Santa Sé e do governo de Israel sobre o que pode ser acrescentado para colocar fim a este problema.

Mais detalhes aqui, nesta ótima e explicativa matéria da Zenit. No mesmo texto, uma declaração do embaixador de Israel na Santa Sé, Mordechay Lewy, afirmando que a declaração do Papa foi de alto nível, “que esclarece e ajuda a superar os equívocos”. O comentário do Pe. Federico Lombardi, porta-voz da Santa Sé, foi tão contundente que parecia ter encerrado definitivamente a questão.

O que mais querem que o Papa diga a respeito? Mas a imprensa continua repercutindo o caso. Não seria má vontade contra a Igreja e Bento XVI? Será que não estão exagerando as afirmações desastradas de um bispo com o objetivo de atingir a imagem do Papa? Autoridades judaicas já se abriram ao diálogo e a imprensa continua a jogar gasolina na fogueira.

Por falar em imprensa, não percam os ótimos textos do blog Pai, perdoai-lhes; eles não sabem o que escrevem, do qual sou fã número 1, sobre este assunto, comentando os erros cometidos por jornalistas ao noticiarem e comentarem esta polêmica.

Postado às 20:24 | Tags: , , , , , , , , ,

Deixe seu comentário


Get Adobe Flash player Plugin by wpburn.com wordpress themes
%d blogueiros gostam disto: