Para a glória de Deus, em comunhão com a Santa Igreja Católica Apostólica Romana

Jornada Cristã


sexta-feira, 30 de janeiro de 2009



Notícia da Zenit. Depois, meu comentário:

Os bispos dos Estados Unidos e o Vaticano mostram seu desacordo

Por Karna Swanson

WASHINGTON, terça-feira, 27 de janeiro de 2009 (ZENIT.org).- O cardeal Justin Rigali, arcebispo da Filadélfia, qualificou de «muito decepcionante» a decisão do novo presidente americano, Barack Obama, de revogar a proibição de destinar fundos federais a organizações que promovem o aborto em países em vias de desenvolvimento.

A decisão de revogar a conhecida como «Política Cidade do México», que o ex-presidente George Bush pôs em andamento há oito anos, foi divulgada no terceiro dia de mandato do novo presidente. 

O cardeal Rigali, que é também presidente do Comitê de Atividades Pró-vida da Conferência Episcopal dos Estados Unidos, afirmou que «uma administração que quer reduzir o aborto não deveria destinar fundos federais a grupos que promovem o aborto». 

Estas declarações se referem à reiterada afirmação de Obama em campanha eleitoral, de que ele não é «partidário do aborto, mas de reduzir o número de abortos sem tornar este procedimento ilegal».

Leia o restante da notícia aqui. Já avisei aqui antes: se você acredita na sinceridade de um abortista, eu tenho um terreno na lua para lhe vender. Obama comprometeu-se com vários grupos ligados ao aborto durante não apenas o decorrer da sua campanha presidencial, mas em toda sua (curtíssima) carreira política. E esses grupos não estão interessados em diminuir o número de abortos, mas ao contrário, tem por objetivo aumentá-los, seja por questões financeiras (essas organizações estão intrinsicamente ligadas à redes de clínicas de aborto), seja por questões ideológicas (que acreditam piamente ser de máxima importância impor um controle populacional para toda a humanidade).

Na foto acima, Obama discursa em evento promovido pela Planned Parenthood, atualmente proprietária da maior cadeia de clínicas de aborto dos Estados Unidos e, oh!, surpresa, organização que luta pelo “direito das mulheres decidirem o que fazer com o próprio corpo”.

Se você não conhece a Planned Parenthood, deixe que eu faça as honras: trata-se de uma instituição que diz lutar pelo “direito” ao aborto e ao mesmo tempo é dona de milhares de clínicas de aborto em todo o planeta – tem filiais em 180 países. Nos países onde o aborto é proibido (inclusive o Brasil), ela atua assim: fomenta o aborto clandestino, infringindo a lei, para criar um problema de saúde público, proclamar aos quatro ventos que “está havendo um morticínio, as mulheres estão morrendo por causa do aborto clandestino”, com o objetivo de manipular a opinião pública e pressionar os governos para mudarem a lei, legalizando o aborto e daí… ganherem ainda mais dinheiro fazendo esses abortos em suas clínicas, na medida em que também pressionam os governos a financiarem abortos com dinheiro público.

A Planned Parenthood fez campanha ostensiva em favor da eleição de Barack Obama e de canditados abortistas. Com a melhor das intenções, é claro. Agora, está na hora do Presidente retribuir a gentileza. Será que algum trouxa realmente acredita que Obama, tendo sido apoiado por todos os grupos abortistas e donos de clínicas de aborto dos Estados Unidos, está interessado em diminuir a prática do aborto naquele país?

E vocês acham que eu tenho que agüentar calado os “pogreçista” de cabeça (de vento) aberta e miolo mole, defendendo o direito da mulher de matar o próprio filho no ventre… Ora, vão lamber sabão! Esses panacas se comportam como idiotas úteis para a causa abortista, não têm a menor consciência disso e acham que a opinião deles é deveras importante.

Quanta estupidez!

Postado às 13:14 | Tags: , , , ,

Deixe seu comentário


Get Adobe Flash player Plugin by wpburn.com wordpress themes
%d blogueiros gostam disto: