Para a glória de Deus, em comunhão com a Santa Igreja Católica Apostólica Romana

Jornada Cristã


quinta-feira, 2 de abril de 2009



ÁFRICA/BURQUINA FASO – A Comissão de Bioética católica: a Aids não é somente uma patologia biológica, enquanto em nossos dias a sociedade se inclina a perder a sua imunidade adquirida em relação aos valores, a verdade e a ética

Ouagadougou (Agência Fides) – “Com o Santo Padre, nós reiteramos com todas as nossa forças: Não à banalização da sexualidade que induz a um comportamento irresponsável, enquanto a promiscuidade sexual é causa de vários maus, morais e físicos; Não a uma educação sexual sem dimensão moral, que consista em incitar e iniciar precocemente os jovens à sexualidade, e que os predisponham o abandonar-se à vagabundagem sexual e às infecções sexualmente transmissíveis. Reiteramos que a Igreja dará sempre a sua ajuda na luta contra a Aids/Hiv em Burquina Faso, ajudando no quadro estratégico elaborado a este objetivo, e permanecendo sempre junto das pessoas que sofrem”. É o que afirma a Comissão de Bioética Católica da Conferência Episcopal de Burquina Faso e Níger, num comunicado enviado à Agência Fides.

Voltando na interpretação feita por alguns meios de comunicação internacionais sobre as palavras do Santo Padre Bento XVI em sua viagem à República de Camarões sobre a luta contra a Aids, denegrindo-o sem algum respeito e comparando-o a uma personagem dos séculos passados, e sobre o uso do preservativo, o documento traz integralmente a pergunta colocada pelo jornalista e a resposta dada pelo papa. “Uma frase tirada de seu contexto se torna uma arma com duplo corte, enquanto todo leitor pode interpretá-la com o quiser”, ressalta o documento, referindo-se ao fato que alguns tiraram uma frase do papa de sua resposta articulada (não se pode superá-lo com a distribuição de preservativos: ao contrário, aumentam o problema”) para apresentá-la como motivo de escândalo.

O documento exorta a “estar vigilantes para não se deixar influenciar por certos tipos de imprensa que tem como objetivo o sensacionalismo ou tirar a atenção dos verdadeiros problemas. A Aids que é a ‘síndrome da imunodeficiência adquirida’ não é somente uma patologia biológica, enquanto em nossos dias a sociedade se inclina a perder a sua imunidade adquirida em relação aos valores, a verdade e a ética. Neste caso estamos afetados por uma ‘Aids cultural’ que está infectando o nosso mundo e o seu contágio se tornará sempre mais incalculável”.

A Comissão de Bioética ressalta que “alguns jornalistas, aproveitam de sua posição e de sua tarefa, sem perceber a deontologia da informação, criticaram severamente o papa quando não se tem nada de novo sobre a posição da Igreja em relação às relações entre preservativos e Aids. Quem conhece os princípios da Igreja sabe que o papa não dirá coisas novas numa simples entrevista, mas se é o caso escreverá uma encíclica sobre o tema”.

É então reiterado o pensamento expresso por Bento XVI sobre o tema: denunciar a grave responsabilidade daqueles que propagam uma ideologia de liberdade sexual através do uso de preservativo; recordar que a estrada melhor na luta contra a Aids é o da educação civil e religiosa no sentido da responsabilidade; apresentar as três formas de luta contra a Aids em que a Igreja se empenha: educação à responsabilidade das pessoas no uso das sexualidade e a reafirmação da função essencial do matrimônio e da família, pesquisa e aplicação de terapias eficazes colocando-as à disposição do maior número de doentes (25% dos centros de assistência sanitárias que no mundo se ocupam dos doentes de Aids é constituído por estruturas católicas), assistência humana e espiritual dos doentes de Aids e de todos os doentes, que estão sempre no coração da Igreja.

Ilustrando a posição da Igreja em Burquina Faso sobre a Aids, o documento ressalta que se trata da posição da Igreja universal, com uma luta coletiva e individual. “A Igreja, que mira à perfeição e à santificação de todos os homens de boa vontade, propõe um meio seguro para vencer a Aids: a abstinência e a fidelidade. Certamente todo estado leigo pode livremente propor à sua população outros métodos de luta. Mas certamente não será somente a distribuição de preservativos nas escolas, nos colégios, nos institutos, nos povoados e nas praças dos mercados que reduzirá a prevalência da Aids na África e no mundo”. Na parte conclusiva se recorda que a Aids não é somente uma doença física, enquanto atinge também a psique da pessoa doente, as suas relações e toda a sociedade, por isso não se pode limitar em combatê-la com o preservativo. “É preciso uma formação apropriada, uma educação à responsabilidade individual e coletiva, e é sobre este ponto que as consciências devem ser iluminadas”. (S.L.)

Fonte: Agência Fides.

Postado às 13:14 | Tags: , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

Deixe seu comentário


Get Adobe Flash player Plugin by wpburn.com wordpress themes
%d blogueiros gostam disto: